A artesania do poeta


As mãos calejadas em tecer sandices, creem imundices, padecem caladas. Não há quem as veja, tortura, peleja

n' obrar para si amor que é só seu. Não há quem sorri por grato ao que deu: espera e labora, o belo demora.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags

Escola de Escrita - Mathias de Alencar

Copyrights © 2018 Mathias de Alencar. Orgulhosamente criado com Wix.com

  • Grey Instagram Icon
  • Grey YouTube Icon
  • Grey Facebook Icon
  • Grey Blogger Icon