Vidas Secas, Graciliano Ramos


Vidas Secas, de Graciliano Ramos, é típico romance arquetípico, simbólico. Fabiano e sua família ressaltam a rusticidade miserável e bronca de nossa gente, em contraste com os brancos, os ricos, o Governo, toda aquela gente que sabe falar, tem palavras difíceis, algumas belas, parecem enganar. A gente simples vive a contradição desse sentimento, em admirar enraivecida o que não pode compreender. A vida na cidade tem promessas, é verdade, e o Governo não pode falhar, pois perfeito. O erro deve ser mesmo desses homens que não são homens, são cabras. Animais nascidos para obedecer aos que sabem. Como a cadela Baleia obedece a Fabiano, confiando em sua governança. Homem que é cabra confia que a gente branca e do Governo deve saber o que faz. Mas confia desconfiando. Estão meio certos.


Dessa gente sem pretensões, a única vontade é sobreviver. Talvez alcançar uma cama melhor para dormir, sonho de sinhá Vitória, mulher de Fabiano. Os dois filhos, o mais maço e o mais velho, inominados, são meros coadjuvantes em uma luta para vencer a seca e a miséria. Menos que isso. Às vezes são empecilhos. Diferente da cadela Baleia, que salva a família na primeira cena do livro, trazendo-lhes um preá entre os dentes, banquete para uma família faminta. A fazenda abandonada após a seca vai servir-lhes como pouso passageiro, ao menos até a época das águas, ou até que o dono das terras retorne.


O dono retorna, e à ordem de retirar-se Fabiano oferece seus serviços. Boa negociação. Tornado fazendeiro, descobre-se em nova dignidade de gente. De gente não, constata: de bicho. Não há que alimentar no peito desejos elevados demais. “Quem é de chão não se trepa”. Resignado, ao menos lhe sobra uns níqueis para a comida, também a bebida e a jogatina. Bêbado, arruma no jogo sua primeira confusão na cidade. Mas é preso por uma injustiça, sabe bem, aquele soldado amarelo provocara-o, ele já com álcool nas ideias, não pôde controlar-se e xingou-lhe a mãe. Essa gente da cidade é sempre mais esperta, injusta, enganosa. O comerciante rouba-lhe, acredita Fabiano, nas medidas e nos preços. Desconfiado de todos, até do patrão e de suas palavras difíceis, juros e prazos, vê o dinheiro esvair-se por entre os dedos.


O dinheiro pouco, quase nada, torna impossível a cama de sinhá Vitória. Pôr as crianças na escola era preciso, mas a vida digna do fazendeiro aos poucos se tornava, aos olhos de Fabiano, a de um negro sem alforria. Tinha-se naquela vida boiadeira vida de escravo, enganado por juros e falsas medidas, pela incapacidade de falar e acabar preso, uma injustiça – também não poder confiar aos filhos melhor futuro. As crianças eram talvez o desejo de que não sofressem com aquilo que tanto esmorecia e cansava os pais. Talvez esperança de futuro mais digno, futuro de gente, não de bicho, não de cabra. Era outro sonho de sinhá Vitória. Esse teria de ser realizado, ou nada teria valido a pena.


Após o milagre de salvarem-se em meio à violenta seca das terras e dos céus, Fabiano e a mulher tomam a resolução de libertarem-se, alforriarem-se a si mesmos como antes, nômades porém donos de si. Seu caminho seria para o sul, atrás de terras mais férteis e cidades mais civilizadas, atrás de um futuro melhor, um presente talvez. No caminho, a mulher questiona, quase filosofa: somos os mesmos, Fabiano? O marido pondera meia légua, não é de falar muito, faltam-lhe as palavras e as ideias, portanto não é de pensar muito. Mas a pergunta é intrigante. Somos e não somos, é verdade. Não há como deixar de ser o que é, mas não é possível continuar a ser o que sempre foi. Fabiano, a mulher e os filhos seguem o trajeto da vida seca, margeada pelos desejos de novidade e pelas certezas de sempre. São as contradições da vida.


Apenas a cadela Baleia ficou para trás, como parte daquele mundo molhado e regado a injustiças e enganos. Ao menos, a seca traz sua dignidade à gente que é cabra. Só os mais rijos prevalecem contra as intempéries da natureza. Baleia não conseguiu prevalecer. Envelhecida, teve o destino traçado pela espingarda de Fabiano. Sendo homem bronco, acreditou-a doente: era melhor dar-lhe fim. Não podia arriscar doença aos filhos. Mas sofreu. Todos sofreram. A cadela era parte da família, e Fabiano sentiu-se matando um dos seus. Já havia desejado matar o filho que fraquejara em meio à seca. Mas só os tempos molhados nos deixam com as ideias entorpecidas. E afinal Baleia era um animal, não era gente. Os filhos hão de se tornar gente. Sinhá Vitória tinha esperanças. Assim como a cadela esperava o lugar em que, viva, reencontraria sua família, e preás enormes, um verdadeiro paraíso.


Não há símbolo melhor para retratar essa gente. Vidas Secas é um símbolo. E em Baleia, a riqueza trágica de nosso destino de bicho é eloquente. Somos sempre a cadela posta a confiar no dono – e a morrer por suas mãos logo venha a ideia de livrar-se da doença que pode afetar o futuro das famílias. Que famílias? Aquelas feitas de gente, não de cabras rudes e sem palavras. Mas as cabras têm sentimentos, ainda que incapazes de expressá-los. Graciliano Ramos expôs magistralmente os sentimentos de cabras e da cadela Baleia. A cena é realmente magistral. É o incômodo símbolo do que negamos ver apenas porque não se encontra palavras para expressá-lo. Não há mais desculpas agora. Vidas Secas expressou o fundo inconfesso de cadelas e de gentes demasiado brasileiras.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags

Escola de Escrita - Mathias de Alencar

Copyrights © 2018 Mathias de Alencar. Orgulhosamente criado com Wix.com

  • Grey Instagram Icon
  • Grey YouTube Icon
  • Grey Facebook Icon
  • Grey Blogger Icon